terça-feira, 6 de março de 2012

Envolvido Ou Comprometido Com Jesus Cristo?


Milton Júnior,
discípulo de Jesus Cristo.


Tema: Abnegação na vida cristã.
Objetivo: Demonstrar através do próprio ensino de Jesus Cristo que servi-Lo exige comprometimento sacrificial.

Introdução

Envolvimento e comprometimento são duas palavras que podem parecer semelhantes ou iguais, mas não são... Envolvimento traz, dentre outras, a idéia de enredar, seduzir, cativar, confundir, rodear, cercar, ocultar, dissimular, turvar, etc. Comprometimento, por sua vez, traz a idéia de sujeitar, empenhar, arriscar, expor ao perigo, tomar compromisso, assumir responsabilidade grave, etc.
Para ilustrar de forma mais prática veja uma refeição em que possamos comer ovos fritos de galinha com salsichas de frango... Hum, que delícia! Observe que, apesar de os ovos e as salsichas poderem vir do mesmo tipo de animal, galinhas e frangos, há uma diferença extrema e vital em suas relações com o nosso lanche. E qual é? A galinha está apenas envolvida, pois, para que haja ovos é necessário que ela esteja viva para pô-los; o frango está comprometido, já que ele precisa morrer para se fazer salsichas de frango. Percebe a diferença? Ovos = Vida. Salsichas = Morte.
Jesus Cristo utiliza semelhantemente esta mesma tensão ao nos conclamar para segui-Lo. Você acha que Ele quis dizer que fôssemos envolvidos ou comprometidos com a vida cristã?

Lucas 14: 25-33.

[25] Ora, iam com ele grandes multidões; e, voltando-se, disse-lhes: [26] Se alguém vier a mim, e não aborrecer a pai e mãe, a mulher e filhos, a irmãos e irmãs, e ainda também à própria vida, não pode ser meu discípulo.
[27] Quem não leva a sua cruz e não me segue, não pode ser meu discípulo.
[28] Pois qual de vós, querendo edificar uma torre, não se senta primeiro a calcular as despesas, para ver se tem com que a acabar? [29] Para não acontecer que, depois de haver posto os alicerces, e não a podendo acabar, todos os que a virem comecem a zombar dele, [30] dizendo: Este homem começou a edificar e não pode acabar. [31] Ou qual é o rei que, indo entrar em guerra contra outro rei, não se senta primeiro a consultar se com dez mil pode sair ao encontro do que vem contra ele com vinte mil? [32] No caso contrário, enquanto o outro ainda está longe, manda embaixadores, e pede condições de paz. [33] Assim, pois, todo aquele dentre vós que não renuncia a tudo quanto possui, não pode ser meu discípulo.

1. As Grandes Multidões... (v.25-26).
Sabemos que os que seguem as multidões jamais serão seguidos por ela. As pessoas, de um modo em geral, estão sempre interessadas em fazer qualquer coisa por seus próprios interesses convenientes. Jesus Cristo estava constantemente cercado por muitas pessoas aproveitadoras, queriam apenas usufruir transitoriamente dos Seus milagres, mas não queriam deixar tudo para segui-Lo. Ele as rechaçou quando as convidou ao compromisso sacrificial...
As “multidões” estão por todo lugar buscando alguma situação da qual possa tirar proveito. Elas querem tudo e não compartilham nada. Elas querem assistencialismo, não transformação. Elas são espiritualmente avarentas e no trono do seu coração reina o ego ao invés de Jesus Cristo. As “multidões” estão interessadas em envolvimento descompromissado.
Estamos envolvidos ou comprometidos com as multidões? Estamos envolvidos ou comprometidos com Jesus Cristo?

2. Os Discípulos Levam Sua Cruz... (27).
 A cruz era sinal de vergonha e morte para os judeus, pois somente as piores pessoas daquela sociedade eram crucificadas. Será que Jesus Cristo queria dizer que o cristianismo genuíno era deliberadamente imoral e injustificavelmente penoso? Não! Ele teve a intenção de transmitir a idéia de sacrifício.
Se desejamos segui-Lo devemos assim fazer sabendo que há uma ordem imutável em Seu reino: Jesus Cristo, o SENHOR, deve estar em primeiro lugar em nossas vidas! Isso significa que a Sua vontade deve triunfar sobre o nosso apego a tudo o que humanamente confortável e conveniente a despeito das nossas responsabilidades para com a Verdade. Tal é o ofício de um verdadeiro discípulo: comprometimento fatal ao invés de envolvimento superficial. Se amamos Jesus Cristo acima de nós mesmos os significados comuns de vida e morte são irrelevantes para nós e viver para Cristo ou morrer para Cristo será a mesma sentença.

3. O preço da Cruz... (28-33).
Seguir Jesus Cristo possui um preço... E quanto custa segui-Lo? Custa tudo! Custa a renúncia de toda uma vida de pecados ilusórios, de religiosidade insignificante e de egocentrismo vulgar, mas requer o comprometimento fatal para vivermos de modo que tudo o que somos, temos e seremos seja explicitamente do inteiro agrado e uso da vontade de Jesus Cristo.
As “multidões” estão naturalmente envolvidas com Jesus Cristo porque este é o seu estilo de vida, é tudo o que deseja saber e fazer, enquanto que o discípulo está intimamente comprometido com Ele, disposto tanto a viver em piedade quanto a morrer honrosamente pela causa do seu SENHOR e SALVADOR. Estamos em meio às “multidões” ou levando nossa cruz sob os passos do Mestre?